A condição necessária e suficiente para que haja equilíbrio eletrostático, entre dois ou mais condutores, é que eles tenham o mesmo potencial elétrico. O equilíbrio eletrostático é caracterizado pela ausência de corrente elétrica de um condutor para o outro.

Condutores em equilíbrio eletrostático

Propriedades:
O equilíbrio eletrostático é caracterizado pela ausência de movimento ordenado de cargas elétricas.
O campo elétrico no interior de um condutor eletrizado é nulo (caso contrário surgiriam correntes).
As cargas em excesso, positivas ou negativas, distribuem-se na superfície (Blindagem Eletrostática).
Nos pontos internos e na superfície do condutor em equilíbrio o potencial elétrico é constante.
O vetor campo elétrico, e também as linhas de forças, são perpendiculares à superfície exterior do condutor eletrizado.
O poder das pontas:
A densidade de carga (carga por unidade de área) é maior nos pontos de maior curvatura, isto é, de menor raio. Isto significa que as cargas elétricas se distribuem mais densamente nas regiões pontiagudas. Este é o princípio do funcionamento dos para-raios.
Ruptura dielétrica:
A quantidade máxima de cargas que podem estar em um condutor é limitada. Com campos elétricos muito intensos, o meio vizinho ao condutor pode ter suas moléculas ionizadas, tornando-se condutor de eletricidade e descarregando o condutor nele imerso. Quando isto ocorre, dizemos que houve ruptura do meio dielétrico.
Rigidez dielétrica:
A rigidez dielétrica é o valor do campo elétrico em que ocorre a ruptura dielétrica de um certo meio. No ar atmosférico a rigidez dielétrica é: $$E_{max} = 3 \times 10^6 \frac{V}{m} = 3.000.000 \frac{V}{m}.$$